Informação

Eleições CCPJ - Resultados Eleitorais (estatísticas)

Apurados os resultados para a eleição dos representantes dos jornalistas na Comissão da Carteira Profissional de Jornalista, poderá abrir este link para consultar os dados estatísticos.

Resultados Eleitorais

Eleição dos representantes dos Jornalistas

Realizada a eleição dos representantes dos jornalistas na Comissão da Carteira Profissional de Jornalista, foram apurados os seguintes resultados:

 

Votos presenciais

                        Lista A – trinta e seis (36)

                        Lista B – nove (9)

                        Brancos – zero (0)

                        Nulos – zero (0)

Votos online

                        Lista A – quinhentos e vinte e três (523)

                        Lista B – cento e quarenta e dois (142)

                        Brancos – quinze (15)

Total global – setecentos e vinte e cinco (725)

                        Lista A – quinhentos e cinquenta e nove (559)

                        Lista B – cento e cinquenta e um (151)

 

Assim, foram proclamados eleitos para o exercício efectivo do mandato para o triénio dois mil e dezoito/dois mil e vinte e um, os seguintes jornalistas:

 

  1. Jacinto Godinho – CP 772 A – Lista A
  2. Marina Pimentel – CP 492 A – Lista A
  3. Anabela Natário – CP 326 A – Lista A
  4. Miguel Alexandre Ganhão – CP 1552 A – Lista B

 

 

                                                                 Lisboa 5 de Dezembro de 2018

 

                                               Pel’A Comissão da Carteira Profissional de Jornalista

 

                                                                             O Presidente

                                                                      Henrique Pires Teixeira

                                                                             

 

Eleições CCPJ - Informações sobre a Votação

A eleição dos representantes dos jornalistas na Comissão da Carteira Profissional de Jornalista irá ter lugar, através de voto electrónico, entre as 9h do dia 3 de Dezembro e as 19h do dia 5 de Dezembro.

A votação está aberta aos jornalistas constantes do universo eleitoral.

O link para o site da votação electrónica (ao qual os jornalistas devem aceder usando o seu nome de utilizador registado na plataforma da CCPJ) é o seguinte: https://votacao.ccpj.pt/. A votação só estará disponível a partir das 9h do dia 3 de Dezembro.

Os jornalistas que ainda não possuem um nome de utilizador registado na plataforma da CCPJ, podem consultar este link para mais informações.

Os jornalistas que preferirem votar presencialmente nas instalações da CCPJ, podem fazê-lo no dia 5 de Dezembro, entre as 10h e as 19h.

Em caso de dúvida, por favor contacte os nossos Serviços via e-mail (carteira.press@ccpj.pt) ou por telefone (213 221 230 / 213 424 303). O atendimento telefónico estará disponível, excepcionalmente, entre as 9h e as 20h dos dias 3 e 4 Dezembro.

Eleições CCPJ - Lista B

Apelo à participação dos jornalistas - Lista B

 

Estamos a poucos dias das eleições para a Comissão da Carteira Profissional dos Jornalistas (dias 3,4 e 5 de dezembro), a participação de todos é importante para que o nosso trabalho continue a ser realizado com independência e em liberdade. 

Por isso a Lista B apela ao voto de todos os profissionais da Comunicação Social. Um voto pela mudança. 

Uma mudança que consagre regras mais transparentes de acesso à profissão. Que motive editores e orientadores de estágio a dar novas perspectivas àqueles que escolheram o jornalismo como forma de realização pessoal e profissional. 

Uma mudança que contribua para um jornalismo mais proativo e rigoroso, que cultive a inquietação e a curiosidade assente numa investigação cuidada e corajosa. 

Uma mudança que permita dar tempo ao tempo da notícia, à recolha de dados, à procura do contraditório, mesmo quando esse objetivo seja barrado por forças que cultivam um "jornalismo domesticado", ao serviço de uma informação "politicamente correta"  e que desprezam tudo o seja diferente. Como se a diferença não fosse ela mesma, uma das essências do jornalismo.

É preciso votar! Escolher o que se quer, e rejeitar aquilo que impede que o futuro não seja encarado com esperança. Aquilo que amarra o desafio e a ambição de sermos melhores. De fazermos mais projetos, com mais qualidade e com espaço para crescer e criar postos de trabalho. 

Queremos ter mais jornalistas. Mais projetos de comunicação com condições económicas sólidas, que sejam atraentes para investir, que gerem retorno para os acionistas e os trabalhadores e que criem riqueza para o País.

Não votar é aceitar que esta é uma profissão condenada a uns poucos grupos. Que são sempre os mesmos a ocupar os mesmos lugares, a defender as mesmas ideias e a impedir novas iniciativas.  



Efetivos

Miguel Alexandre Ganhão - C.P. 1552 A
Celso Filipe - C.P. 852 A
Carlos Rodrigues Lima - C.P. 3532 A
Luis Pedro Sousa - C.P. 1871 A

Suplentes

Bernardo Ribeiro - C.P. 2640 A
Alfredo Leite - C.P. 3410 A
Paulo Abreu - C.P. 3321 A
Francisco Paraíso - C.P. 966 A

Eleições CCPJ - Lista A

 

De forma a consultar o manifesto da Lista A candidata à eleição dos representantes dos jornalistas na CCPJ, por favor clique neste link.

 

Lista A – proposta pelo Sindicato dos Jornalistas

 

Membros efectivos:

 

  1. Jacinto Godinho – C.P. 772 A

Jornalista dos quadros da RTP (Rádio e Televisão de Portugal) desde 1988. Como repórter especial fez vários trabalhos de investigação premiados, como Tráfico de hormonas para a carne de vaca (1993) e Caça aos golfinhos nos Açores (1994). Produziu e realizou e várias séries documentais, como é o caso de Memórias do Cinema Português – 100 anos de história (2001); Ei-los que Partem – Uma história da Emigração Portuguesa (2006); A PIDE Antes da PIDE (2016) e Quando a Tropa mandou na RTP (2017). Foi por duas vezes galardoado com o mais importante e prestigiado prémio de jornalismo em Portugal, o Prémio Gazeta do Clube de Jornalistas. Doutorado em Ciências da Comunicação pela FCSH da Universidade Nova de Lisboa. É professor auxiliar do Departamento de Ciências da Comunicação, da UNL onde lecciona desde 1993. Publicou os livros As origens da reportagem – Imprensa (2009) e As origens da reportagem – Televisão (2011), ambos editados pela Livros Horizonte, de Lisboa.

 

  1. Marina Pimentel – C.P. 492 A

Jornalista dos quadros da RR, onde actualmente edita e apresenta um programa de informação sobre justiça, Em Nome da Lei. Anteriormente editou e apresentou um programa de reportagem e debate, Espaço Aberto. Na Rádio Renascença, já desempenhou várias funções de direção: adjunta da DI, Directora-adjunta e Coordenadora. Tem presentemente o estatuto de Jornalista Principal e dedica-se sobretudo à cobertura de temas europeus e jurídicos. Foi vogal do Conselho Deontológico do Sindicato dos Jornalistas entre janeiro de 2015 e dezembro de 2018. Foi membro efetivo da Comissão da Carteira Profissional de Jornalistas entre 2011 e 2014.É licenciada em Comunicação Social pela Universidade Nova e em Direito pela Universidade Lusíada.

 

  1. Anabela Natário – C.P. 326 A

Em 1981, a meio do curso de jornalismo, entrou no Correio da Manhã e tornou-se jornalista com carteira profissional. Seguiu para a Agência Lusa de onde saiu para fundar o jornal “Público”. Em 1996, criou a Énetextos, e dois anos depois integrou a equipa fundadora do “24 Horas”, uma breve passagem para voltar à sua empresa de prosa. Em 2005, tornou-se editora do Courrier Internacional, do qual foi também diretora. Passou, então, para o Expresso, tendo ali sido editora do Internacional e do Online. Fez parte da comissão instaladora e da primeira direção do Clube de Jornalistas. Foi vogal e vice-presidente da direção do Sindicato dos jornalistas. É vice-presidente do Conselho Deontológico. Colaborou nos mais diversos órgãos de comunicação social e é também escritora, com onze livros publicados.

 

  1. Ana Isabel Costa – C.P. 1177 A

Jornalista da Antena 1 desde 1994. Até Agosto de 2017 trabalhou como correspondente na região de Leiria. Em 2017 passou para a redacção central, nos estúdios da RTP, na rua Marechal Gomes da Costa, em Lisboa. Entre Maio de 1992 a Abril de 1994, foi jornalista da Rádio Renascença na Região de Leiria. De 1996 a 1998, foi correspondente do jornal Público também na região de Leiria.

 

 

Membros Suplentes:

 

  1. Manuela Goucha Soares – C.P. 529 A

Manuela Goucha Soares - Jornalista desde 1987, trabalha no Expresso desde outubro de 1988. Pós-graduada em Estudos Portugueses pela Universidade Aberta, é licenciada em Comunicação Social pela Universidade Nova de Lisboa. Frequentou um curso intensivo na Graduate School of Journalism da Columbia University, em Nova Iorque, com uma bolsa da Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento. É autora da biografia Marcello Caetano – O Homem que perdeu a Fé, publicada em 2009 pela editora A Esfera dos Livros, da Fotobiografia de Ramalho Eanes e do livro Primeiras-damas do pós 25 de Abril, ambos editados pelo Museu da Presidência da República em 2006. Em 1985, publicou o seu primeiro livro para crianças, A Avestruz com Rodas, a que se seguiram Segredos do Dinheiro de Papel e, em 1998, a assinalar os 25 anos do Expresso, Histórias e Segredos do Expresso.

 

  1. Miguel Santos – C.P. 4567 A

 Jornalista dos quadros da Rádio Cova da Beira (Fundão) desde 2002. Iniciou a actividade como colaborador na área desportiva, tendo desempenhado essas funções em várias rádios. Fez parte do primeiro corpo redactorial do semanário Tribuna Desportiva, o único jornal desportivo existente no distrito de Castelo Branco. Desde 2002 tem estado envolvido nas várias áreas de produção de uma rádio local, nomeadamente a realização de entrevistas, reportagens, publicação de conteúdos online e cobertura de diferentes eleições (autárquicas, legislativas, europeias e presidenciais). Licenciado em Ciências da Comunicação pela Universidade da Beira Interior desde Julho de 2013. Concluiu com aproveitamento o bacharelato em Jornalismo no antigo Instituto Superior de Administração, Comunicação e Empresa (ISACE), na Guarda, no ano lectivo 1994/1995. Certificado em 2007 nos módulos “Técnicas Jornalísticas em Rádio” I e II pelo Centro Protocolar de Formação para Jornalistas (CENJOR).

 

 

  1. Ana Baião – C.P. 730 A

Fotojornalista dos quadros do jornal Expresso desde 2000. Começou em O Século em 1988. Em 1992 vai para o Diário de Noticias e em 1998 para O Independente. Durante estes anos foi colaboradora da agência Associated Press. Natural de Lisboa, fez a sua formação no Instituto Português de Fotografia. Ao longo dos anos tem participado em diversas exposições individuais e colectivas. Pelos seus trabalhos jornalísticos, já recebeu algumas distinções, entre as quais a medalha de ouro atribuída pela Assembleia da República no 50º aniversário da Declaração Universal dos Direitos Humanos. Em 2017 publicou o seu primeiro livro Cante-Alma do Alentejo.

 

  1. António Marujo – C.P. 736 A

Jornalista desde 1987. Editor do blogue Religionline. Bolseiro da Gulbenkian para investigação jornalística em 2018-19. Trabalhou no Público, Diário de Lisboa e Expresso. Colaborou com dezenas de publicações (incluindo os mais importantes títulos da imprensa portuguesa) e programas de rádio e televisão, portugueses e estrangeiros, acompanhando a informação religiosa. Vencedor do Prémio Europeu de Jornalismo Religioso na Imprensa Não-confessional em 1995 e 2006. Autor e co-autor de duas dezenas de livros, entre os quais Papa Francisco Uma Revolução Imparável.

Acordo da Rede Lusófona pela Qualidade da Informação

A Comissão da Carteira Profissional de Jornalista é um dos membros subscritores do Acordo da Rede Lusófona pela Qualidade da Informação, assinado no dia 14 de Novembro de 2018, na Universidade de Coimbra.

Para mais informações, por favor consulte este link.

Lisboa, 16 de Novembro de 2018

Curso “Comunicação Social e os Comportamentos Aditivos”

O SICAD - Serviço de Intervenção nos Comportamentos Aditivos e nas Dependências vai promover uma acção de formação, destinada a jornalistas, no próximo dia 21 de Novembro de 2018, visando potenciar o papel dos Media e jornalistas na área da saúde e dos Comportamentos Aditivos e Dependências (CAD).

Para maior detalhe informativo aconselhamos a consulta do programa anexo.

Lisboa, 16 de Novembro de 2018

Eleições - Lista B

Lista B

 

SEM MEDO DE MUDAR

Somos um grupo de jornalistas que quer um Comissão dinâmica, independente e ao serviço de todos os profissionais

Há três anos um grupo de profissionais da Comunicação Social decidiu desafiar o unanimismo presente nas eleições para a Comissão da Carteira Profissional de Jornalista (CCPJ) apresentando uma lista alternativa à do Sindicato dos Jornalistas. Tal como foi anunciado o desafio vinha acompanhado de um apelo: fazer despertar as consciências para os verdadeiros desafios que se colocavam à profissão. 

A Lista B conseguiu eleger um elemento para a CCPJ. Hoje, conscientes que as questões da regulação da profissão de jornalista assumem uma redobrada importância, não só face ao fenómeno das "notícias falsas" veiculadas pelas redes sociais, mas sobretudo face às crescentes tentativas de condicionamento da liberdade de expressão em todas as plataformas que servem de suporte ao trabalho jornalístico, consideramos que existem razões redobradas para manter o desafio da independência  da informação.

A realidade que nos foi dada a conhecer nestes três anos, não foi agradável. Os jornalistas têm uma visão negativa da CCPJ. Olham a Comissão como um mero cobrador do título profissional que os habilita a exercer o jornalismo. Mas não hesitam em recorrer aos seus serviços quando existem ataques ao seu profissionalismo, ou ao rigor do seu trabalho. E devem fazê-lo sempre. Porque é para defender o trabalho de todos os jornalistas que a CCPJ existe. Porque todos aqueles que possuem o título profissional de jornalista devem ver defendida a sua profissão contra o oportunismo dos agregadores noticiosos e o condicionalismo de opinadores ao serviço de realidades difusas que abominam os factos e as notícias.

Assim, e mais uma vez, foram mais de um centena de profissionais de vários órgãos de Comunicação Social, que congregaram esforços para que um conjunto de jornalistas no ativo se possam candidatar às próximas eleições da CCPJ a realizar nos próximos dia 3, 4 e 5 de dezembro. 

Queremos exercer a nossa profissão em liberdade, sem constrangimentos nem agendas escondidas, valorizando a Autonomia, a Responsabilidade e o Rigor. Escolher implica necessariamente a existência de vários projetos, com visões diferentes e soluções  alternativas. 

Não se defende o jornalismo sendo cúmplice das más condições de trabalho dos jornalistas. Não se defende o jornalismo fechando os olhos a pressões sobre os profissionais para que não abordem os temas sensíveis da nossa sociedade. Não se defende o  jornalismo ignorando a vampirização das notícias pelos agregadores de notícias da Internet. 

E só se defende o jornalismo, quando se defendem todos os jornalistas! Sem anátemas políticos, clubísticos ou sociais. Guardando as distâncias devidas de acionistas, grupos económicos, partidos políticos ou instituições governamentais. Dignificar o jornalismo é, em primeiro lugar, defender todos os que nele trabalham das pressões que diariamente enfrentam. E é nesta defesa que queremos colocar a CCPJ como entidade administrativa independente de regulação profissional.

O QUE QUEREMOS

Reforçar as competências dos jornalistas, nomeadamente ao nível da perceção e compreensão do papel que assume a deontologia profissional. Dar especial atenção ao necessário acompanhamento e formação dos jornalistas estagiários 

- Exigir uma justa compensação pelo negócio montando pelos chamados "motores de busca", cujo verdadeiro ativo não é mais do que a informação que foi recolhida e tratada por profissionais ao serviço de uma entidade profissional a troco de uma remuneração. 

- Rever o sistema de pagamento dos títulos profissionais, sensibilizando as entidades patronais para a necessidade de uma partilha de custos no processo de renovação dos títulos. Criar condições mais favoráveis para que os profissionais "freelacers" possam continuar a renovar o título profissional e implementar um procedimento que dê especial atenção às situações dos jornalistas que se encontram temporariamente afetados pelo fenómeno do desemprego, e que mesmo assim desejam manter ativo o seu título profissional.

- Publicitar, na íntegra, as decisões sobre infrações disciplinares, com especial enfoque para a sua fundamentação, não esquecendo nunca a origem e o contexto do comportamento do infrator.

O QUE NÃO QUEREMOS

- Uma CCPJ instrumentalizada. Ao serviço de forças que querem dividir os jornalistas e "orientar" o jornalismo. 

- Desigualdade no pagamento dos títulos profissionais em função da inscrição em associações sindicais ou outras instituições 

- Utilização dos regulamentos disciplinares como forma de manipulação ou coação da liberdade dos jornalistas.

- Não temos medo da mudança. Não tememos a crítica. Apenas nos preocupa a indiferença.

Efetivos
Miguel Alexandre Ganhão - C.P. 1552 A
Celso Filipe – C.P. 852 A
Carlos Rodrigues Lima – C.P. 3532 A
Luís Pedro Sousa– C.P. 1871 A

Suplentes      
Bernardo Ribeiro – C.P. 2640 A
Alfredo Leite – C.P. 3410 A
Paulo Abreu – C.P. 3321 A
Francisco Paraíso – C.P. 966 A

 

Eleições - Lista A

Eleições para a Comissão da Carteira Profissional de Jornalista

 

Lista A - Dignificar os jornalistas – proteger o jornalismo

 

Nos próximos dia 3,4 e 5 de Dezembro os jornalistas vão eleger os seus representantes na Comissão da Carteira Profissional de Jornalista.

No dia 5 de Dezembro as urnas estão abertas na sede da CCPJ, no Palácio Foz. Mas este ano existe a novidade do voto pela internet através da plataforma online da CCPJ nos dias 3, 4 e 5 de Dezembro.  

Não há mesmo desculpas para não votar. Concorrem duas listas: A Lista A, proposta pelo Sindicato dos Jornalistas, e a Lista B, que só integra representantes de um grupo empresarial, a Cofina SGPS.

A Lista A teve a preocupação de incluir jornalistas de diferentes meios de comunicação nacionais e regionais, com diversas situações profissionais que incluem o trabalho precário e de diferentes grupos empresariais.

Na sua constituição, a Lista A teve também a preocupação de respeitar a paridade de género, ao contrário do que faz a outra lista concorrente, ainda mais num quadro em que a as mulheres e os homens estão em número idêntico na profissão.

Esta lista aposta na renovação da composição da CCPJ para reforçar a sua capacidade de actuar contra as infracções disciplinares para credibilizar o jornalismo. 

Esta lista vai lutar para que, pela primeira vez, um jornalista assuma a presidência da Comissão, ajudando a criar uma maior ligação entre a CCPJ os cidadãos.

A Lista A defende que a CCPJ deve continuar a ser uma entidade independente e não um instrumento ao serviço dos interesses dos operadores do sector, para poder continuar a desempenhar um papel decisivo na credibilização do Jornalismo.

Por todos estes motivos, consideramos fundamental que os jornalistas votem na lista A para os representar na CCPJ.

Lista A:

Efectivos:
- Jacinto Godinho – C.P. 772A;
- Marina Pimentel – C.P. 492A;
- Anabela Natário – C.P. 326A;
- Ana Isabel Costa – C.P. 1177A

Suplentes:
- Manuela Goucha Soares – C.P. 529A;
- Miguel Santos – C.P. 4567A;
- Ana Baião – C.P. 730A;
- António Marujo – C.P. 736A 

 

 

Lista A – proposta pelo Sindicato dos Jornalistas

 

 

Membros efectivos:

 

  1. Jacinto Godinho – C.P. 772 A

Jornalista dos quadros da RTP (Rádio e Televisão de Portugal) desde 1988. Como repórter especial fez vários trabalhos de investigação premiados, como Tráfico de hormonas para a carne de vaca (1993) e Caça aos golfinhos nos Açores (1994). Produziu e realizou e várias séries documentais, como é o caso de Memórias do Cinema Português – 100 anos de história (2001); Ei-los que Partem – Uma história da Emigração Portuguesa (2006); A PIDE Antes da PIDE (2016) e Quando a Tropa mandou na RTP (2017). Foi por duas vezes galardoado com o mais importante e prestigiado prémio de jornalismo em Portugal, o Prémio Gazeta do Clube de Jornalistas. Doutorado em Ciências da Comunicação pela FCSH da Universidade Nova de Lisboa. É professor auxiliar do Departamento de Ciências da Comunicação, da UNL onde lecciona desde 1993. Publicou os livros As origens da reportagem – Imprensa (2009) e As origens da reportagem – Televisão (2011), ambos editados pela Livros Horizonte, de Lisboa.

 

  1. Marina Pimentel – C.P. 492 A

Jornalista dos quadros da RR, onde actualmente edita e apresenta um programa de informação sobre justiça, Em Nome da Lei. Anteriormente editou e apresentou um programa de reportagem e debate, Espaço Aberto. Na Rádio Renascença, já desempenhou várias funções de direção: adjunta da DI, Directora-adjunta e Coordenadora. Tem presentemente o estatuto de Jornalista Principal e dedica-se sobretudo à cobertura de temas europeus e jurídicos. Foi vogal do Conselho Deontológico do Sindicato dos Jornalistas entre janeiro de 2015 e dezembro de 2018. Foi membro efetivo da Comissão da Carteira Profissional de Jornalistas entre 2011 e 2014.É licenciada em Comunicação Social pela Universidade Nova e em Direito pela Universidade Lusíada.

 

  1. Anabela Natário – C.P. 326 A

Em 1981, a meio do curso de jornalismo, entrou no Correio da Manhã e tornou-se jornalista com carteira profissional. Seguiu para a Agência Lusa de onde saiu para fundar o jornal “Público”. Em 1996, criou a Énetextos, e dois anos depois integrou a equipa fundadora do “24 Horas”, uma breve passagem para voltar à sua empresa de prosa. Em 2005, tornou-se editora do Courrier Internacional, do qual foi também diretora. Passou, então, para o Expresso, tendo ali sido editora do Internacional e do Online. Fez parte da comissão instaladora e da primeira direção do Clube de Jornalistas. Foi vogal e vice-presidente da direção do Sindicato dos jornalistas. É vice-presidente do Conselho Deontológico. Colaborou nos mais diversos órgãos de comunicação social e é também escritora, com onze livros publicados.

 

  1. Ana Isabel Costa – C.P. 1177 A

Jornalista da Antena 1 desde 1994. Até Agosto de 2017 trabalhou como correspondente na região de Leiria. Em 2017 passou para a redacção central, nos estúdios da RTP, na rua Marechal Gomes da Costa, em Lisboa. Entre Maio de 1992 a Abril de 1994, foi jornalista da Rádio Renascença na Região de Leiria. De 1996 a 1998, foi correspondente do jornal Público também na região de Leiria.

 

 

Membros Suplentes:

 

  1. Manuela Goucha Soares – C.P. 529 A

Manuela Goucha Soares - Jornalista desde 1987, trabalha no Expresso desde outubro de 1988. Pós-graduada em Estudos Portugueses pela Universidade Aberta, é licenciada em Comunicação Social pela Universidade Nova de Lisboa. Frequentou um curso intensivo na Graduate School of Journalism da Columbia University, em Nova Iorque, com uma bolsa da Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento. É autora da biografia Marcello Caetano – O Homem que perdeu a Fé, publicada em 2009 pela editora A Esfera dos Livros, da Fotobiografia de Ramalho Eanes e do livro Primeiras-damas do pós 25 de Abril, ambos editados pelo Museu da Presidência da República em 2006. Em 1985, publicou o seu primeiro livro para crianças, A Avestruz com Rodas, a que se seguiram Segredos do Dinheiro de Papel e, em 1998, a assinalar os 25 anos do Expresso, Histórias e Segredos do Expresso.

 

  1. Miguel Santos – C.P. 4567 A

 Jornalista dos quadros da Rádio Cova da Beira (Fundão) desde 2002. Iniciou a actividade como colaborador na área desportiva, tendo desempenhado essas funções em várias rádios. Fez parte do primeiro corpo redactorial do semanário Tribuna Desportiva, o único jornal desportivo existente no distrito de Castelo Branco. Desde 2002 tem estado envolvido nas várias áreas de produção de uma rádio local, nomeadamente a realização de entrevistas, reportagens, publicação de conteúdos online e cobertura de diferentes eleições (autárquicas, legislativas, europeias e presidenciais). Licenciado em Ciências da Comunicação pela Universidade da Beira Interior desde Julho de 2013. Concluiu com aproveitamento o bacharelato em Jornalismo no antigo Instituto Superior de Administração, Comunicação e Empresa (ISACE), na Guarda, no ano lectivo 1994/1995. Certificado em 2007 nos módulos “Técnicas Jornalísticas em Rádio” I e II pelo Centro Protocolar de Formação para Jornalistas (CENJOR).

 

  1. Ana Baião – C.P. 730 A

Fotojornalista dos quadros do jornal Expresso desde 2000. Começou em O Século em 1988. Em 1992 vai para o Diário de Noticias e em 1998 para O Independente. Durante estes anos foi colaboradora da agência Associated Press. Natural de Lisboa, fez a sua formação no Instituto Português de Fotografia. Ao longo dos anos tem participado em diversas exposições individuais e colectivas. Pelos seus trabalhos jornalísticos, já recebeu algumas distinções, entre as quais a medalha de ouro atribuída pela Assembleia da República no 50º aniversário da Declaração Universal dos Direitos Humanos. Em 2017 publicou o seu primeiro livro Cante-Alma do Alentejo.

 

  1. António Marujo – C.P. 736 A

Jornalista desde 1987. Editor do blogue Religionline. Bolseiro da Gulbenkian para investigação jornalística em 2018-19. Trabalhou no Público, Diário de Lisboa e Expresso. Colaborou com dezenas de publicações (incluindo os mais importantes títulos da imprensa portuguesa) e programas de rádio e televisão, portugueses e estrangeiros, acompanhando a informação religiosa. Vencedor do Prémio Europeu de Jornalismo Religioso na Imprensa Não-confessional em 1995 e 2006. Autor e co-autor de duas dezenas de livros, entre os quais Papa Francisco Uma Revolução Imparável.

Como votar online na Eleição dos representantes dos jornalistas na Comissão da Carteira Profissional de Jornalista

 

Para poderem votar online na eleição dos representantes dos jornalistas na Comissão da Carteira Profissional de Jornalista para o triénio 2018/2021, a decorrer entre as 9h do dia 3 de Dezembro e as 19h do dia 5 de Dezembro (a votação presencial decorre entre as 10h e as 19h do dia 5 de Dezembro nas instalações da CCPJ), os jornalistas com carteira profissional devem inscrever-se na Plataforma de Registo da CCPJ.

Os jornalistas já inscritos não necessitam de voltar a inscrever-se.

De forma a saber como poderão inscrever-se na Plataforma de Registo da CCPJ, os jornalistas poderão consultar este link. Caso os jornalistas tenham dúvidas em relação a este processo de registo na plataforma, poderão contactar-nos telefonicamente entre as 10h e as 18h (nos dias 3 e 4 de Dezembro em horário alargado entre as 10h e as 20h) através dos seguintes números: 21 3221230 / 21 3424303.

O link para o site onde decorrerá a votação online (que estará aberta entre as 9h do dia 3 de Dezembro e as 19h do dia 5 de Dezembro) é o seguinte: https://votacao.ccpj.pt/.

 

Lisboa, 12 de Novembro de 2018

Listas Candidatas

Listas candidatas à Eleição dos Representantes dos Jornalistas na CCPJ para o triénio 2018/2021

 

LISTA A  

Efectivos:       Jacinto Godinho – C.P. 772 A

                        Marina Pimentel – C.P. 492 A

                        Anabela Natário – C.P. 326 A

                        Ana Isabel Costa – C.P. 1177 A

Suplentes      Manuela Goucha Soares – C.P. 529 A

                        Miguel Santos – C.P. 4567 A

                        Ana Baião – C.P. 730 A

                        António Marujo – C.P. 736 A

 

LISTA B  

Efectivos:       Miguel Alexandre Ganhão – C.P. 1552 A

                        Celso Filipe – C.P. 852 A

                        Carlos Rodrigues Lima – C.P. 3532 A

                        Luís Pedro Sousa– C.P. 1871 A

Suplentes      Bernardo Ribeiro – C.P. 2640 A

                        Alfredo Leite – C.P. 3410 A

                        Paulo Abreu – C.P. 3321 A

                        Francisco Paraíso – C.P. 966 A

Sorteio das listas candidatas à Eleição dos Representantes dos Jornalistas na CCPJ para o triénio 2018/2021

Nos termos do disposto no ponto 5 do Regulamento Eleitoral, procedeu-se hoje na sede da CCPJ ao sorteio das listas admitidas em definitivo, e na presença dos respectivos representantes, obtendo-se o seguinte resultado:

 

LISTA A:

Lista encabeçada pelo jornalista Jacinto Godinho (CP 772A)

 

LISTA B:

Lista encabeçada pelo jornalista Miguel Alexandre Ganhão (CP 1552A)

 

Lisboa, 30 de Outubro de 2018.

Eleição dos Representantes dos Jornalistas na CCPJ para o triénio 2018/2021 - Admissão de Listas

Reunido a 24 de Outubro de 2018, o Secretariado da CCPJ verificou a conformidade das duas listas candidatas à próxima Eleição dos Representantes dos Jornalistas na CCPJ para o triénio 2018/2021, tendo as mesmas sido admitidas.

O sorteio das listas realiza-se no próximo dia 30 de Outubro, às 10h30, na sede da CCPJ.

 

Divulgação de questionário no âmbito de tese de doutoramento em Ciências da Comunicação

A CCPJ divulga, a pedido da doutoranda Otília Leitão, um questionário no âmbito da sua tese de doutoramento intitulada “A Proteção do Jornalista - uma questão de independência e livre consciência (Uma equação da era digital)”.

 

"Questionário: A proteção do jornalista? - uma questão de independência e livre consciência (na era digital)

O meu nome é Otília Leitão, sou jornalista de profissão já faz mais de trinta anos e encontro-me atualmente a realizar uma investigação, no âmbito da elaboração da minha tese de doutoramento, subordinada ao tema da proteção do Jornalista e da salvaguarda da sua independência na era digital e quais os novos direitos e deveres que dela emergem.

Assim, agradecia muito a vossa colaboração no preenchimento e na divulgação do seguinte questionário: https://iscteiul.co1.qualtrics.com/jfe/form/SV_3gxr9ohdVNkHFPL 

Um dos objetivos principais deste questionário é aferir a sensibilidade e opinião dos jornalistas relativamente a esta temática ao que a mesma acarreta ou pode acarretar em plena era digital e num mercado de trabalho cada vez mais global, globalizante e precário.

Para aferir da sensibilidade e opinião dos jornalistas é essencial e imprescindível a preciosa colaboração de todos no preenchimento deste questionário.

Agradeço, desde já, a disponibilidade para o preenchimento deste questionário.

Muito obrigada!

Otília Leitão"

Agência Nacional de Investigação prolonga prazo de candidaturas ao Prémio Nacional de Jornalismo de Inovação

A Agência Nacional de Investigação prolongou o prazo de candidaturas ao Prémio Nacional de Jornalismo de Inovação para 15 de Outubro.

Para mais informações, por favor consulte este link.

Eleição dos representantes dos jornalistas - Universo Eleitoral

 

Eleição dos representantes dos jornalistas

 

Universo Eleitoral

 

 

A consulta do Universo Eleitoral para a Eleição dos representantes dos jornalistas poderá ser feita neste link.

 

Lisboa, 8 de Outubro de 2018

 

Pel’A Comissão da Carteira Profissional de Jornalista

O Presidente

Henrique Pires Teixeira

Eleição dos representantes dos jornalistas

Convocatória

 

 

Nos termos do art.º 22.º do Decreto-Lei n.º 70/2008, de 15 de Abril, convoco para os dias 3, 4 e 5 de Dezembro de 2018, através da plataforma online, e dia 5 de Dezembro de 2018, através de voto presencial, a eleição dos representantes dos jornalistas na Comissão da Carteira Profissional de Jornalista, para o triénio de 2018/2021.

A eleição far-se-á nos termos e prazos fixados no Regulamento Eleitoral que se encontra patente no sítio electrónico da CCPJ (www.ccpj.pt).

Os cadernos eleitorais estarão disponíveis na sede da CCPJ a partir de 8 de Outubro de 2018.

 

 

Lisboa, 4 de Outubro de 2018

 

Pel’A Comissão da Carteira Profissional de Jornalista

O Presidente

Henrique Pires Teixeira

 

Regulamento Eleitoral

                                                                             

XII Curso de Segurança e Defesa para Jornalistas

Lisboa, 3 de Agosto de 2018

 

O Instituto de Defesa Nacional (IDN) vai promover, entre 1 de Outubro e 11 de Janeiro de 2019, o XII Curso de Segurança e Defesa para Jornalistas (XII CSDJ 2018) que terá lugar nas suas instalações em Lisboa e no Porto.

O CSDJ tem por finalidade contribuir para a sensibilização e formação de quadros e futuros quadros ligados ao jornalismo e à comunicação, numa perspetiva de aprofundar a sua cultura de segurança e defesa. 

O CSDJ parte de uma abordagem integrada e global que enquadra a complexa problemática dos conflitos modernos, numa perspetiva geral da segurança e defesa, passando pelas questões da atualidade em matéria de política e defesa nacional, das articulações da segurança cooperativa e do próprio papel dos media num ambiente de conflito armado.

 

Objectivos:

  • Promover o conhecimento e a reflexão esclarecida sobre as questões do âmbito da segurança e da defesa;
  • Sensibilizar os auditores para o conceito alargado de segurança;
  • Promover o conhecimento, aprofundar a capacidade crítica e desenvolver a cultura de segurança e defesa, como bases para o desempenho de futuras funções de responsabilidade numa perspetiva de comunicação pública;
  • Proporcionar contacto direto com a realidade das estruturas de segurança e defesa nacional.

 

Destinatários:

Formandos, titulares de formação e/ou experiência profissional na área da comunicação social, comunicação pública, ciências da comunicação e jornalismo. 

Podem candidatar-se ao CSDJ cidadãos nacionais e cidadãos oriundos de outros países com vínculo académico ou profissional à comunicação pública e cujo currículo profissional dê garantias de habilitação suficiente para a sua frequência.

 

Estrutura e Funcionamento:

O XII CSDJ 2018 decorre em regra às segundas-feiras da parte da manhã, ao longo de cerca de três meses, em regime presencial, e decorre em simultâneo nas instalações do Instituto da Defesa Nacional em Lisboa e no Porto.

O CSDJ está organizado em módulos, abrangendo as seguintes áreas: o Quadro Geral da Segurança e Defesa; a Política Comum de Segurança e Defesa da União Europeia; a Política de Defesa Nacional, a Segurança Cooperativa; o Papel dos Media em Conflitos Armados; e a Análise de Casos de Estudo e Discussões Dirigidas. Para além destes módulos, para os quais se conta com a participação de reputados especialistas em conferências, painéis e debates, o curso inclui a realização de trabalhos práticos e de visitas de estudo a órgãos diretamente relacionados com a segurança e defesa.

O CSDJ é frequentado pelos auditores em regime de tempo parcial, com exceção dos dias de abertura e de encerramento do curso e de visitas de estudo (casos em que o respetivo programa se prolonga normalmente durante todo o dia), sendo obrigatória a participação em todas as atividades constantes do programa de atividades do curso.

 

Prazo de candidatura:

O período para apresentação de candidaturas individuais à frequência do XII CSDJ 2018 decorre entre 11 de Junho e 14 de Setembro de 2018.

 

Propina:

Para a frequência do XII CSDJ 2018 é devido o pagamento de uma propina única no valor de 100,00 Euros pelos auditores individuais admitidos.

 

Para mais informações consulte o Regulamento.

Divulgação de inquérito no âmbito de mestrado em Ciências da Comunicação

24 de Julho de 2018

 

A CCPJ divulga, a pedido da mestranda Patrícia Gonçalves, um inquérito no âmbito da sua tese de mestrado sobre "O jornalismo de investigação em Portugal".

 

"Prezados,

 

O meu nome é Patrícia Gonçalves e frequento o mestrado em Ciências da Comunicação pela Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro. Encontro-me na fase final deste segundo ciclo do ensino superior, com a redação da dissertação de mestrado. Esta investigação académica tem como tema “O jornalismo de investigação em Portugal” e como pergunta inicial: “De que forma os novos media contribuem para o desenvolvimento do jornalismo de investigação em Portugal?”

Deste modo, os dois objetos de estudo desta investigação são os jornalistas portugueses e a especialidade jornalismo de investigação. O que vos torna a vós, jornalistas portugueses, o meu público-alvo para a redação e conclusão da metodologia desta investigação. Surge aqui a pertinência e importância da vossa colaboração, uma vez que as respostas e conclusões que pretendo alcançar só poderão ser fornecidas por quem trabalha no meio e conhece a realidade desta área.

Assim, peço a vossa colaboração a partir do preenchimento deste inquérito online – https://goo.gl/forms/yFeJzEyT4x1Czmxf1 – o qual será de uso exclusivo para esta investigação e os dados não serão partilhados para outros fins.

 

Agradeço desde já a vossa colaboração e disponibilidade.

 

Cordialmente,

Patrícia Gonçalves"

 

Agência Nacional de Inovação cria Prémio Nacional de Jornalismo de Inovação

20 de Julho de 2018

 

Candidaturas abertas até 15 de Setembro

Para mais informações clique aqui.

Fundação Calouste Gulbenkian - Atribuição de Bolsas de Investigação Jornalística

7 de Julho de 2018

 

A Fundação Calouste Gulbenkian vai atribuir 150 mil euros em bolsas para investigação jornalística.

As bolsas são destinadas a jornalistas de órgãos de comunicação social nacionais e regionais, com carteira profissional portuguesa válida, que apresentem trabalhos de investigação diretamente relacionados com Portugal e com os portugueses, em áreas como a política, economia, questões sociais, culturais ou históricas, e serão atribuídas a um máximo de 10 jornalistas.

 

O período de candidatura encerra a 31 de Agosto.

Consultar Regulamento

 

Atribuídos os Prémios GAZETA 2017

19 de Junho de 2018

 

O Júri dos Prémios Gazeta 2017, os mais prestigiados do Jornalismo português, iniciativa anual do Clube de Jornalistas, com o Patrocínio do Santander Totta e da Galp Energia, deliberou atribuir, após análise dos trabalhos concorrentes, os seguintes galardões:

 

Prémio Gazeta de Mérito – Luís Filipe Costa, jornalista, radialista e realizador de televisão, nascido em 1936, a quem se deve uma verdadeira revolução no panorama radiofónico quando, na década de 1960, chefiou a redação do extinto Rádio Clube Português. O premiado, um dos profissionais de rádio que deu voz a comunicados do MFA, a 25 de Abril de 1974, viria a consolidar a carreira na RTP.

 

Gazeta de FotografiaAdriano Miranda (Público), pela fotografia publicada na primeira página do Público de 16 de outubro de 2017. Símbolo da tragédia dos incêndios, que por isso ajudou à onda de solidariedade nacional para com as vítimas, a imagem de Manuel Francisco, foi captada em Covelo, concelho de Tábua, precisamente no dia em que festejava 82 anos.

 

Gazeta de Imprensa Joana Gorjão Henriques (Público) viu distinguida a primeira de uma série de seis reportagens, sob o título genérico “Racismo à portuguesa”, dedicada à Justiça. O trabalho, publicado entre agosto e outubro de 2017, implicou a realização de entrevistas a cerca de 50 pessoas, entre procuradores, advogados, professores, ativistas, investigadores e artistas.

 

Gazeta de Multimédia – atribuído a João Santos Duarte e Tiago Miranda (Expresso) pelo trabalho “Estamos aqui para formar animais de combate”, reportagem sobre os “comandos”, divulgada um ano após a morte de dois jovens militares, na chamada “prova zero”. Longa viagem ao interior do curso 127, demorou oito meses a concretizar.

 

Gazeta de Rádio Cláudia Arsénio (TSF) foi reconhecida pela reportagem “Tão longe, tão perto”, com sonoplastia de Miguel Silva, emitida em 23 de novembro de 2017. Meio século após as cheias que assolaram a região de Lisboa, cruza testemunhos de sobreviventes com depoimentos de antigos bombeiros, estudantes e jornalistas que acompanharam uma tragédia de mais de 700 mortes e cuja dimensão a ditadura tentou abafar através da Censura.

 

Gazeta de Televisão Pedro Coelho (SIC) venceu, com “Assalto ao castelo”, série de três reportagens emitidas pela SIC entre 1 e 3 de março de 2017, que escrutina a atuação do Banco de Portugal no caso da queda do BES. O trabalho, em que se envolveram também os repórteres de imagem José Silva e Luís Pinto e o editor de imagem Rui Berton, apresenta documentos inéditos que colocam em causa o papel do BP no maior escândalo financeiro da democracia portuguesa.

 

Gazeta Revelação Margarida David Cardoso (Público) ganhou o prémio pela reportagem “A noite do fim do mundo”, sobre as cheias de 1967, publicada na revista P2. O trabalho associa o registo histórico ao depoimento de sobreviventes, sendo a componente fotográfica atual da autoria do fotojornalista Rui Gaudêncio. Os artigos foram divulgados na edição impressa e online a 12 de novembro de 2017.

 

Gazeta de Imprensa Regional – O júri distinguiu o “Correio da Feira”, semanário regionalista de Santa Maria da Feira, que no ano passado comemorou o 120.º aniversário. Propriedade da empresa Efeito Mensagem, Lda., o jornal é dirigido por Orlando Macedo. Preza a pluralidade da abordagem noticiosa, sem abdicar da defesa e promoção dos valores regionais.

 

 

O Júri dos Prémios Gazeta 2017 teve a seguinte composição: Eugénio Alves (CJ), Cesário Borga (CJ), Eva Henningsen (Associação de Imprensa Estrangeira em Portugal), Fernanda Bizarro (Freelancer), Fernando Correia (jornalista e professor universitário), Elizabete Caramelo (professora universitária), Fernando Cascais (professor universitário e formador do CENJOR), Jorge Leitão Ramos (crítico de cinema e televisão), José Rebelo (professor jubilado do ISCTE - Instituto Universitário de Lisboa) e Paulo Martins (jornalista e professor universitário).

 

Lançamento do livro "O Bairro dos Jornais", de Paulo Martins

O lançamento do livro “O Bairro dos Jornais”, da autoria do jornalista Paulo Martins, terá lugar no dia 17 de Maio, às 18 horas, na Casa da Imprensa.

O livro será apresentado por Mário Zambujal.

 

Prémios Gazeta 2017 - Alargamento do prazo

O prazo para apresentação de candidaturas aos Prémios Gazeta 2017 foi alargado até ao próximo dia 4 de Maio.

 

 

APIFARMA e Clube de Jornalistas anunciam vencedores do Prémio Jornalismo em Saúde

Entidades promotoras do prémio destacam importância do trabalho jornalístico na divulgação de informação em Saúde

 

No Dia Mundial da Saúde, a 2.ª edição do “Prémio APIFARMA/ Clube de Jornalistas – Jornalismo em Saúde” distingue os melhores trabalhos jornalísticos nas categorias de Imprensa, Rádio, Televisão e Universitário Revelação.

  • Rui Peres Jorge e Bruno Simões, jornalistas do Jornal de Negócios, pelo trabalho “Raio-X ao Serviço Nacional de Saúde”, são premiados na categoria de Imprensa.
  • Bárbara Baldaia, jornalista da TSF, pelo trabalho “Um dia de Cada Vez”, é premiada na categoria de Rádio.
  • Paula Martinho da Silva, jornalista da RTP, pelo trabalho “A minha vida é a tua”, é premiada na categoria de Televisão. A imagem é de David Araújo e a Edição de Dores Queirós.
  • Marta Ferreira, Afonso Alexandre, Ana Rita Matos e Joana Fidalgo Figueiredo, licenciados pela ESCS, pelo trabalho “Vida sem Limites”, são premiados com a distinção Universitário Revelação.

O Grande Prémio Apifarma/ Clube de Jornalistas, eleito pelo júri entre os vencedores das quatro categorias referenciadas, foi atribuído a Bárbara Baldaia, jornalista da TSF, que nos termos do regulamento, acumula esta distinção com o prémio de Rádio.

Na segunda edição do Prémio APIFARMA/ Clube de Jornalistas foram submetidas a análise do Júri 32 trabalhos jornalísticos.

No dia em que se assinala o Dia Mundial da Saúde, João Almeida Lopes assinala “o aumento do número de candidaturas recebidas, mais 9 trabalhos, face à primeira edição do prémio, o que atesta o sucesso da iniciativa”.

O presidente da APIFARMA reitera a importância da Comunicação Social na descodificação da informação em Saúde e que, por isso, espera “que o Prémio continue a contribuir para elevar a qualidade do trabalho jornalístico nesta área”.

Mário Zambujal afirmou que “saber não basta, é fundamental saber comunicar o saber e que o intuito destes Prémios foi juntar os dois conhecimentos”. O presidente do Clube de Jornalistas considera que este objectivo “resultou num conjunto de trabalhos de elevado mérito.”

Constituição do Júri da 2.ª edição do Prémio APIFARMA/ Clube de Jornalistas:

  • Cesário Borga, jornalista, Clube de Jornalistas
  • Carlos Lobato, jornalista, Casa de Imprensa
  • António Santos, enfermeiro, Associação Portuguesa para o Desenvolvimento Hospital
  • Jorge Penedo, médico, personalidade de mérito na Saúde
  • António Borga, jornalista, personalidade de mérito no Jornalismo

O júri decidiu não atribuir o prémio na categoria de “Jornalismo Digital” por considerar que os trabalhos apresentados não atingem níveis de qualidade merecedores de distinção.

A data e local da cerimónia de entrega de prémios serão anunciados brevemente.

  

Sobre o “Prémio APIFARMA/ Clube de Jornalistas – Jornalismo em Saúde”

O “Prémio Jornalismo em Saúde”, criado em 2017, é uma organização do Clube de Jornalistas, promovido com o apoio da APIFARMA – Associação Portuguesa da Indústria Farmacêutica.

A iniciativa pretende contribuir para promover a qualidade e a profusão do trabalho jornalístico dedicado à Saúde com enfoque em aspectos relevantes do Serviço Nacional de Saúde (SNS), na inovação em Saúde e no desenvolvimento económico e social na área da Saúde.

O prémio distingue trabalhos jornalísticos publicados ou difundidos nos órgãos de comunicação social portugueses na área da Saúde, realizados por profissionais da comunicação social, em quatro categorias: Imprensa, Rádio, Televisão e Digital.

A distinção “Universitário Revelação”, dirigida a recém-licenciados de Comunicação Social e Jornalismo, incide estritamente sobre trabalhos académicos sendo, por isso, uma categoria autónoma.

 

 

Agressões a jornalistas passam a ser consideradas crime público

A recente alteração ao art.º 132.º do Código Penal veio conferir uma maior protecção aos jornalistas no exercício da sua actividade.

As agressões praticadas contra um jornalista no exercício das suas funções ou por causa delas passam a ser consideradas crime público, sendo susceptíveis de revelar especial censurabilidade ou perversidade para efeitos penais.

Prémios Gazeta 2017

 

Atribuídos os Prémios Gazeta 2016

27/09/2017

 

Reunido no Clube de Jornalista, o Júri dos Prémios Gazeta, os mais prestigiados galardões de jornalismo em Portugal, uma iniciativa, anual, promovida pelo CJ, com o patrocínio do Santander Totta, analisou os trabalhos concorrentes, relativos a 2016, com o seguinte resultado:

Prémio Gazeta de Fotografia atribuído a Enric Vives-Rubio, do jornal Público. A foto de capa, da edição de 4 de Agosto de 2016, “Mulher a caminhar no meio do parque de estacionamento do Festival de Danças Populares Andanças”, é um excelente documento jornalístico pelo poderoso significado da mulher a caminhar entre carros ardidos, no referido parque do concelho de Castelo de Vide, onde um incêndio afectara, horas antes, mais de 400 viaturas.

Prémio Gazeta Multimédia atribuído a Teresa Abecasis e João Carlos Malta pelo trabalho “Cemitério dos Vivos”, publicado em 21 de Junho de 2016 no site da Rádio Renascença. Os ciganos do bairro da Pedreira, em Beja, são os protagonistas da reportagem que assinalava – de forma bem enquadrada e com diversidade de recursos - a permanência das condições de vida sub-humanas da comunidade apesar da demolição do muro que a separava do restante tecido urbano.

Isabel Meira foi a vencedora do Gazeta de Rádio pelo trabalho “Na hora de pôr a mesa”, da TSF, onde aborda o projecto social de voluntariado “A poesia não tem grades”, desenvolvido em meio prisional. Com sonoplastia de Herlander Rui, o trabalho da repórter, actualmente na Antena2, revela, com sensibilidade, histórias de que está preso e de quem já esteve e encontrou na poesia uma forma de libertação.

O Prémio Gazeta de Imprensa coube a Luciana Leiderfarb pelo trabalho “O Nome do Pai” - publicado a 13 de Agosto de 2016 na revista E do semanário Expresso - sobre a herança familiar de descendentes de altos dignatário do regime nazi, dando a voz a quem não apagou apelidos e lidou com tal fardo. Alguns cederam fotos inéditas, permitindo, nomeadamente, a publicação da imagem de filhos de Rudolf Hoss, comandante de Auschwitz, junto à piscina do seu jardim, no próprio campo de concentração, sendo visíveis, ao fundo, as chaminés dos fornos crematórios.

Margarida Metello é a vencedora do Gazeta de Televisão pela série documental de dois episódios “Reforma Agrária”, emitida pela RTP2 nos dias 27 de outubro e 3 de Novembro de 2016. Num registo equilibrado, sem ceder a maniqueísmos ou a ideias feitas, a reportagem trata um tema sensível, que marcou o agitado período pós-revolucionário de 1974/75 e ainda hoje causa divisões. Um documento indispensável ao conhecimento daquele momento histórico.

O Prémio Gazeta Imprensa Regional foi atribuído ao semanário “Barcelos Popular”, fundado em 1976 e que se tem afirmado como projecto inovador e plural de informação essencialmente local nas mais diversas vertentes. Propriedade da Milho-Rei – Cooperativa Popular de Informação e Cultura de Barcelos, que envolve meia centena de cooperadores. O semanário, conhecido por “verdinho”, apresenta vendas acima dos sete mil exemplares e uma audiência estimada de 40 mil leitores.

O Troféu Gazeta de Mérito foi atribuído a José Quitério, crítico gastronómico do Expresso durante quase quatro décadas. A qualidade da escrita das crónicas assinadas pelo jornalista constituiu a razão principal da escolha do júri. Nascido em Tomar em 10 de abril de 1942, Quitério chegou a frequentar a Faculdade de Direito de Coimbra, mas o curso não o entusiasmou. Em Lisboa desde 1972, a sua ligação à Comunicação Social teve início no arquivo de O Século, onde trabalhou até ao encerramento do jornal. Ainda passou pela extinta revista Tilt, antes de fundar a secção de gastronomia do semanário, em 1976. Muitos anos antes de se tornar corrente a designação de chef – “já ninguém quer ser cozinheiro, agora só há chefs”, constatou no ano passado, em entrevista à Visão – já José Quitério percorria restaurantes, para se render a paladares ou castigar duramente pratos intragáveis. Sempre sob anonimato, condição de independência e de isenção. A sua fotografia não saia no Expresso, recusava convites, não marcava mesa nos restaurantes, jamais aceitou ofertas. Graças a esta conduta e à invulgar dimensão histórico-cultural das suas crónicas tornou-se uma referência na área.

O Júri dos Prémios Gazeta 2016 teve a seguinte composição: Eugénio Alves (CJ), Cesário Borga (CJ), Eva Henningsen (Associação de Imprensa Estrangeira em Portugal), Fernanda Bizarro (Freelancer), Fernando Correia (jornalista e professor universitário), Elizabete Caramelo (professora universitária), Fernando Cascais (professor universitário e formador do CENJOR), Jorge Leitão Ramos (crítico de cinema e televisão), José Rebelo (professor jubilado do ISCTE- Instituto Universitário de Lisboa) e Paulo Martins (jornalista e professor universitário).

Clube Português de Imprensa tem site dedicado ao jornalismo e à situação dos media

20/07/2017

 

Lançado em Novembro de 2016, o site do Clube Português de Imprensa (CPI) é um espaço multidisciplinar, onde cabem a informação institucional relativa às actividades associativas a par da actualidade relacionada com o jornalismo e os media , tanto na óptica noticiosa como no debate de ideias .

O site divide-se em três grandes áreas de conteúdos, com uma coluna de opinião a cargo de jornalistas e investigadores das Ciências de Comunicação, resumos informativos e propostas de reflexão sobre as grandes questões que se colocam hoje na paisagem mediática e à função jornalística.

O site do CPI conta, ainda, com duas parcerias com o Observatório de Imprensa do Brasil e a Asociacion de la Prensa de Madrid, dos quais publica regularmente trabalhos de análise em diferentes perspectivas, desde a ética profissional aos efeitos das mudanças tecnológicas.

O CPI , associação reconhecida de Utilidade Pública fundada em Dezembro de 1980, integra o Prémio Helena Vaz da Silva, instituído conjuntamente com o CNC-Centro Nacional de Cultura e Europa Nostra, e lançou este ano o Prémio de Jornalismo da Lusofonia, em parceria com o Jornal Tribuna de Macau.